quarta-feira, 12 de julho de 2017

TANGO E PERDÃO

Zildo Gallo


Eu perdoo
e me perdoo
e só espero,
sem pressa,
algum perdão que venha
de nem sei onde...

Que venha de onde vier,
pois o perdão é uma dádiva,
um presente divino,
a todo aquele que aprende
singelamente aceitar.

Um raio de luz penetra
as sombras do meu sótão soturno,
sinto o soprar da brisa suave
e a minha alma leve dança...
dança... baila aquele tango de Gardel
que meu corpo desajeitado
jamais aprendeu a dançar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário