terça-feira, 4 de julho de 2017

BEIJA-FLOR

Zildo Gallo


Ruflam as asas do pequenino beija-flor
O sempre incansável colibri
No seu permanente serviço
De beijar as flores vermelhas
Azuis, brancas, roxas, amarelas...
Beijar todas as flores
Deste mundo caleidoscópico de cores
E de cheiros incontáveis
Beijos que fecundam vidas
Na mais intensa e solitária dança
Um delicado e frenético bailado no jardim
Da recorrente e permanente criação
Sempre nos trazendo à memória
Que esta vida é muito breve
Mas que também é muito bela
Assim como bela é a veloz passagem
Em inesquecíveis segundos coloridos
Da mais bela e mais delicada de todas
As aves-almas do jardim  do criador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário