quarta-feira, 14 de junho de 2017

CAMINHADA (vir a ser) - Para Eduardo Galeano

Zildo Gallo


Por que a ansiedade pelo que virá,
Pelo porvir que no presente se constrói?
Melhor é caminhar nas trilhas do ser,
Do eterno agora... e sempre...
Do que se perder no vir a ser
Que se coloca na linha do horizonte
E sempre se afasta.

O problema é que o ser já se foi
E nem se fixou na lentidão da minha retina
E o vir a ser nunca chega,
É o horizonte utópico posto à frente,
Estimulando a caminhada.

O que permanece é esta clara sensação
De que nascemos para caminhar...
Caminhar... caminhar...
Sempre avante... avante...
Eia SUS, oh SUS!



Zildo Gallo
Santa Bárbara d'Oeste, SP, 29 de janeiro de 2002.
Revisão: Campinas, SP, 14 de junho de 2017.
Homenagem a Eduardo Galeano, o escritor que expôs as "Veias Abertas da América Latina".


Nenhum comentário:

Postar um comentário