quarta-feira, 2 de março de 2016

Os ventos de outono navegam as pipas

Zildo Gallo

Na minha infância, o outono era a estação das pipas. Acho que continua sendo. Passei a minha infância, a partir dos sete anos de idade, em Americana (SP), no bairro Vila Jones, e lembro-me que, assim que o verão começava a sua calorenta e não tão calorosa despedida, carregando com ele o período chuvoso, aí pelo final março, começavam a soprar os ventos favoráveis às pipas, o vento das pipas...


Naquela época, anos 60 e 70, no bairro onde morava, eu e todos os meninos construíamos as nossas pipas. Éramos muitos e muitas eram produzidas e alçadas aos céus todos os dias. Havia muita área livre nas proximidades da minha casa, mas o melhor lugar era um campo de futebol conhecido como Canto do Rio. O nome do campo era este por conta de ele se encontrar às margens do córrego Pyles, cujo nome homenageia uma das famílias confederadas que imigraram para o nosso país no século XIX, após o término da Guerra de Secessão. O campo não mais existe, mas ele segue vivo na minha memória e na dos meninos da minha infância longínqua.
Durante os dias, quase todos os dias, o Canto do Rio servia como palco das pelejas futebolísticas infantis e das pipas empinadas, alçando voos no céu aberto, ao sabor dos ventos suaves e das temperaturas amenas. Não eram só garotos que se divertiam com elas, mas eles eram a grande maioria. No outono de 1975, quando vivia o final da adolescência e caminhava celeremente para a idade adulta, quando cursava o terceiro ano do colégio no Kennedy (IEEPK), escrevi um poema sobre a pipa. Hoje, compreendo que isso foi um tipo de cântico de despedida, uma fotografia para a memória de tempos que ficariam cada vez mais distantes. Ao poema!

PIPA

Nave interestelar
planando mundos
distantes, perdidos,
serpenteando os ares
como se dançasse,
presa à terra
por frágil linha,
como a vida.

Pássaro-Inocência,
sonho, felicidade.
Tão frágil,
um vento forte... estrangula-o.
Tão forte,
carrega consigo uma vida.

Losangos, cubos,
círculos, águias.
Não importam as formas,
são apenas formas.

Zildo Gallo - Americana, SP, maio de 1975


Um comentário:

  1. Neste período as crianças tinham uma infância saudável e brincavam sem medo de ser feliz. Elas mesmas faziam seus brinquedos e desenvolvia a criatividade. Hoje elas somente brincam em casa, com jogos eletrônicos, tem medo de sair para a rua por causa da violência e não constroem nada, atrofiando a criatividade. Tempos difíceis para esta nova geração. Todos já são estressados e continuam assim para o resto da vida.

    ResponderExcluir